Fígado

    O fígado é a maior víscera maciça presente no interior do abdome e ocupa toda a parte direita do andar superior do abdome. Quase todo sangue proveniente do intestino passa pelo fígado para ser metabolizado.  Uma série de doenças podem acometer este órgão, como:

 

  • doenças infeciosas (como hepatites virais)

  • lesões pelo álcool e medicamentos

  • acúmulo de gordura (esteatose)

  • abscessos hepáticos

  • tumores do fígado


 

    Por sua vez, os tumores hepáticos pode ser divididos em:

  • primários, quando tem origem no próprio fígado, ou

  • metastáticos, quando decorrem de um câncer em um outro local que enviou células através do sangue para o fígado.

 

    Os tumores primários do fígado podem ser benignos ou malignos. Os tumores benignos mais prevalentes são:  hemangioma hepático, adenoma hepático e a hiperplasia nodular focal. Cada um deles tem suas particularidades no que diz respeito ao diagnóstico e tratamento.

 

    Dentre os tumores primários malignos do fígado o mais comum é o CHC (chamado de carcinoma hepatocelular ou hepatocarcinoma). Este tipo de tumor é mais frequente em indivíduos com doença hepática de base, tais como hepatite C, hepatite B, hemocromatose e cirrose alcoólica.

 

    O tratamento pode ser ressecção cirúrgica (denominada hepatectomia), transplante hepático ou quimioterapia. Uma serie de questões devem ser avaliadas de modo individualizado antes do planejamento terapêutico.

 

    As metástases hepáticas são hoje responsáveis pela maior partes das hepatectomias. Atualmente com a modernização dos agentes quimioterápicos e da técnica cirúrgica, conseguimos obter ótimos resultados (alta taxa de sobrevida e até a cura) com baixas taxas de complicações.

 

    Em especial, em pacientes com metástases provenientes de tumores colorretais e tumores neuro-endócrinos, as hepatectomias em associação com a quimioterapia tem sido realizada de modo rotineiro.

 

    No entanto, apesar dos resultados animadores, são necessárias mãos habilidosas e com expertise nesta cirurgia. São procedimentos complexos onde uma estratégia terapêutica e um planejamento cirúrgico correto estão relacionados a um bom resultado. O contrário pode significar um desfecho ruim.