Cirurgia Geral

Cálculo de Vesícula

Vesicula Biliar:

Cálculos Biliares (colelitíase)

Câncer da vesícula

 

Colelitíase:

    O que é?

 

         Denominamos colelitíase apresença de uma ou mais pedras no interior da vesícula biliar.

 

    A vesícula biliar é um pequeno órgão em forma saco, localizado na superfície inferior do fígado. A função da vesícula biliar é armazenar a bile. A bile é um líquido amarelo-esverdeado, bem viscoso, produzido pelo fígado e armazenado na vesícula biliar. A bile funciona como um detergente natural que auxilia o corpo humano na digestão das gorduras ingeridas na alimentação. Durante o jejum, a vesícula biliar se mantém em repouso (relaxada) e a bile permanece em seu interior. Após a alimentação (em especial, com a ingestão de gordura) a vesícula biliar irá se contrair e deste modo, bombeará toda a bile para o intestino, a fim de participar do processo de digestão das gorduras.

 

 

    Porque aparecem os cálculos?

 

       A bile é formada principalmente por colesterol, sais biliares, bilirrubinato de cálcio, lectina e água. Enquanto estes componentes estiverem em equilíbrio, a bile se manterá no estado líquido. Todavia, toda vez em que houver a perda deste equilibrio, seja pela produção excessiva de sais biliares, seja pela maior reabsorção de água, a consequência será uma bile mais concentrada (saturada) e isto levará ao depósito de cristais no fundo da vesícula biliar. Com o tempo, estes cristais irão se agrupar formando os cálculos biliares.  

 

 

  

    Quais os sintomas?

 

          Grande parte das pessoas que apresentam colelitíase (pedra na vesícula) são assintomáticas e só descobrem esta doença ao realizarem uma ultrassonografia abdominal de rotina ou indicada por um outro motivo.

 

         Dentre os pacientes sintomáticos, a queixa mais frequente é a dor, em cólica, na parte superior-direita do abdome e geralmente, iniciada após uma dieta rica em gorduras. Este quadro clínico é conhecido como cólica biliar.

           

    Quanto ao diagnóstico?

 

           O melhor exame para diagnosticar a presença de cálculo na vesícula é a ultrassonografia abdominal.

 

    Qual o tratamento recomendado?

 

          O tratamento indicado é a colecistectomia videolaparoscópica, que consiste na retirada da vesícula biliar de maneira minimamente invasiva (através de pequenas incisões de 0,5 a 1 cm)

 

    Câncer da Vesícula Biliar

       Quando diagnosticado em fases avançadas, e especial na presença de metástase, o câncer da vesícula biliar apresenta um prognóstico sombrio. No entanto, é muito difícil fazer este diagnóstico em fases iniciais, uma vez que estes tumores não produzem sintomas precoces.

    Todavia, sabemos que 80% dos cânceres da vesícula biliar estão associadas a cálculo biliar e que em 1,5% das colecistectomia por cálculo nos deparamos com um câncer inicial da vesícula. Esses casos são passiveis de cura quando submetidos ao tratamento correto.

O tratamento dependerá  da profundidade que o tumor está na vesícula (o quando o tumor já invadiu a parede da vesícula).

        Para tumores bem superficiais classificados como T1a a simples colecistectomia (retirada da vesícula biliar) já é o tratamento adequado. Para tumores metastáticos o tratamento de escolha é a quimioterapia, infelizmente sem resultados animadores. Por fim, em casos de tumores maiores e mais profundos, porém sem metástase à distância, a ressecção da vesícula biliar associada a hepatectomia (retirada de parte do fígado) é a operação necessária.

    Existem muitos aspectos a serem considerados sobre este tema, portanto converse com seu médico a respeito.

    Estamos à disposição para maiores esclarecimentos.