Cirurgia oncológica

É a especialidade cirúrgica voltada para o tratamento dos tumores malignos (câncer) no ser humano.

 

    Não é mais como no passado, quando um único médico tratava de praticamente todas as doenças de um determinado indivíduo. Os avanços progressivos que ocorreram na medicina e cirurgia ao longo das últimas décadas, não permitem mais este tipo de prática. Atualmente a informação é tanta que impossibilita que um único profissional exerça sozinho uma medicina de qualidade. Esta é uma verdade e tendência mundial. A subespecialização, a interdisciplinaridade e o tratamento humanizado (individualizado) são as palavras de ordem na medicina do futuro. Os exemplos são claros: o médico que cuida dos olhos é o oftalmologista e o que cuida dos ossos e articulações é o ortopedista. No tratamento do câncer não é diferente, o cirurgião oncológico é aquele que detem a formação necessária para exercer, da melhor forma possível, o diagnóstico precoce e tratamento cirúrgico do câncer. Mesmo nas outras especialidades que citamos anteriormente (oftalmologia e ortopedia), existem cirurgiões que se dedicam a um tipo de cirurgia ou doença. Por exemplo, existem ortopedistas que tratam exclusivamente de joelho ou coluna, do mesmo modo que há oftalmologistas que cuidam exclusivamente de catarata ou doenças da retina. A superespecialização é um fenômeno mundial.

     Porém o cirurgião oncológico não pode estar sozinho nesta "batalha". O tratamento do câncer é interdisciplinar e individualizado (humanizado), ou seja, uma equipe múltipla é excencial e determinante no resultado do tratamento. No entanto faz parte do papel deste especialista ser o elo de ligação entre as diferentes especialidades que participam desta jornada: oncologista clínico (responsável pela quimioterapia), radioterapêuta, anestesistas, gastroenterologistas, hepatologistas, endoscopistas, radiologistas, piscoterapêutas, nutricionistas, fisioterapêutas, equipe de enfermagem e cuidados intesivos, além de uma variedade enorme de outros profissionais. 

     Diversos estudos já demonstraram que o cirurgião oncológico é fator prognostico no tratamento do cancêr. Mas o que isto quer dizer? Existem diversos estudos que compararam 2 grupos de pacientes com câncer, sendo um tratado por cirurgiões oncológicos e outro por cirurgiões não especialistas. Estes trabalhos demonstratam que os pacientes tratados pelos cirurgiões oncológicos tiveram melhores resultados: maior índice de cura, maior sobrevida livre de doença, maior sobrevida global e menor taxa de recidiva (menos retorno do câncer).

Oncogeriatria:

A Brasil está sofrendo um processo de transformação demográfica e com isto a população está envelhecendo. Com o aumento da estimativa de vida é natural que aumente o numero de doenças (câncer) e cirurgias em idosos. No entanto, esta é uma população especial e que se comporta de uma maneira diferente. Um TRATAMENTO INTERDISCIPLINAR, INDIVIDUALIZADO E HUMANIZADO* é determinante no resultado final.